Quem sou eu

Minha foto
São Paulo, SP, Brazil
Técnica de Edificações, Cursando Engenharia Civil e cursando design de interiores. Como perfil profissional venho atuando na área de planejamento em obras de grande porte e nas horas vagas dedica-se a desenvolver projetos de interiores e projetos voltados à acessibilidade. Sempre preocupada com o bem estar do próximo venho desenvolvendo nos últimos meses projetos que buscam otimizar a acessibilidade de crianças, deficientes e idosos em suas residências e em locais públicos. "A acessibilidade é uma preocupação de todos e cada um tem que fazer a sua parte, independente de leis ou normas." Tornar um ambiente acessível, é muito mais simples do que parece e o bem que isso proporciona, é imensurável aos que dependem dele. Um ambiente confortável e agradável é essencial para a reabilitação.

quinta-feira, 17 de março de 2011

Engenharia X Acessibilidade

Mais uma vivência.

Em uma das obras que participei dentro da maior empresa de petróleo do país ouvi de um engenheiro que os dois sanitários existentes no projetos poderia ser retirados pois a empresa não contratava deficientes.

Bom, três erros cometidos por esse profissional:

Primeiro ele alterou um projeto sem comunicar o arquiteto responsável.

Segundo: Ele esqueceu que a empresa precisa por lei contratar sim deficientes.

Terceiro erro: a ignorância. A empresa, mesmo que burle a lei e não contrate deficientes, pode ter idosos trabalhando. E ela pode ter um jovem funcionário, como ele, que venha apresentar algum comprometimento em sua mobilidade.

Até quando as pessoas vão agir dessa maneira? Ignorando a função da acessibilidade e ignorando quem depende dela?

Respeito de ambos os lados

Eu tinha que postar uma matéria sobre um recente desrespeito que vivi.

Eu estava com minha avó no supermercado na zona norte de São Paulo.

Um sábado de carnaval e com chuva.

Minha avó de 86 anos e apesar de boa saúde, já apresenta problemas para se locomover. Normal devido a idade.
Mas apesar da idade e do auxílio da bengala, ela gosta de manter a independência. Como ir ao supermercado. Confesso que com um pouco mais de um terço da sua idade eu já não possuo tamanha disposição.
Mesmo sabendo que encontraria o mercado cheio, eu não pude falar não para ela e lá fomos nós.
Mercado lotado, com muita gente "educada" convenci minha avó a pegar apenas as coisas essenciais pois nós voltaríamos outro dia com mais tranquilidade.

A grande cena do dia ficou na saída.
A pequena área coberta disponível é destinada para taxista e consumidores embarcarem e desembarcarem.
Eis que um cidadão, com um carro sem nehuma identificação estacionou o seu veículo no local e alí ficou.
Eu, que estava com o meu carro em uma área descoberta, pedi para que minha vó aguardasse pois eu iria buscar o carro para que ela não pegasse chuva.
O dono do veículo alí permaneceu com o seu carro estacionado, fazendo com que todas as pessoas que alí estavam com o mesmo objetivo saíssem na chuva para colocar as compras em seus veículos.
ao me ouvir falar que alí não era lugar para estacionar e sim para parar, carregar o carro e partir, o mesmo saiu do carro todo nervosinho e começou a xingar falando que estava esperando UMA DEFICIENTE.
Gente, me corrija se eu estiver errada.
Primeiro: se a "deficiente" assim como ele mencionou estava no mercado fazendo compras, ela teria condições de aguardar da mesma maneira que as outras pessoas que alí estavam que o motorista que a acompanhava fizesse uma manobra e retornasse, sem atrapalhar as demais pessoas.
Segundo: O veículo dele não estava identificado. Os meus familiares que se enquadram em como idosos e deficientes, possuem identificação no carro.
Terceiro: Cadê o respeito por parte dele? Será que ele é uma dessas pessoas que só acha que tem direitos e não deveres?
Cidadania acima de tudo.
Meus pais e minha avó já podem utilizar vaga de idoso e mesmo assim nós respeitamos quando encontramos alguém em situações mais limitadas.
Eu, quando vou ao mercado apenas para levá-los eu os deixo na porta, coloco em uma vaga normal, mesmo podendo utilizar uma vaga de idoso.
Faço isso por cidadania. Sei que as pessoas não respeitam as vagas limitadas. Mas assim como existem direitos, existem deveres.
Precisamos acordar e ver que o que falta não é vaga limitada, não são cotas, mas sim Solidariedade. Falta também Respeito.
Respeito ao próximo e respeito a si mesmo.
Se esconder atrás de uma deficiência alheia também é errado.
Respeite ao próximo. Só assim estará respeitando a si mesmo!

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Esse é o banheiro um aeroporto do Paraná

É assim que os nossos aeroportos receberão seus torcedores com necessidades especiais?

Este banheiro é do aeroporto de Maringá.

Pior do que desconhecer sobre o assunto é fazer isso:


O banheiro para deficientes possui barras de apoio, porém a porta abre para dentro do cômodo, quando o indicado é que a porta se abra apra fora.
Essa necessidade deve-se ao fato de que o usuário, ao entrar no box com uma cadeira, uma muleta ou até mesmo um idoso, está sujeito a algum incidente ou acidente. No caso de uma cadeira, a mesma poderia travar o acesso a esse box, dificultando um socorro de emergência.

Discurso feito pela deputada Mara Gabrilli

Esse foi o discurso feito pela deputada Mara Gabrilli.

Acho que o final do texto discursado por ela resume o grande problema encontrado no país quando falamos de acessibilidade para todos: "... Na verdade, quando a gente equipa, plajena  e constrói um país para todas as pessoas, a gente descobre que quem é deficiente é o País e não as pessoas..." (Mara Gabrilli)

Espero que o Brasil abra cada vez mais os olhos apra as necessidades de seus habitantes.

Discurso da deputada federal Mara Gabrilli

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Dica: Projeto Carona

Conheça o



Essa empresa fornece serviço de lazer com veículos adaptados e legalizados em São Paulo.

Acessem o site. Vale a pena conferir!

Pessoas com deficiência têm 50% de desconto no ingresso para o Carnaval 2011 em SP

Os documentos necessários para efetuar o cadastro são: RG, duas fotos 3x4 e laudo médico. Após essa fase, os cadastrados receberão uma carteirinha especial que, ao comprar o ingresso na Ingresso Fácil da bilheteria do Anhembi, garantirá 50% de desconto na entrada. Os acompanhantes não estão inclusos no benefício.
As carteirinhas terão validade por dois anos com a opção de serem substituídas em 2012 por modelos com chip. Aqueles que não realizarem o cadastro no prazo poderão adquirir os ingressos sem o desconto fornecido.


Para os cadeirantes haverá 70 lugares com acompanhante (um por cadeirante), distribuídos entre os setores A, B, D, E, F e G. O transporte ficará sob responsabilidade do ATENDE, programa de transporte especial da Prefeitura de São Paulo.


OUVIDORIA DA SPTURIS


• Data: 2 a 15 de fevereiro


• Local: Arena Anhembi


• End.: Av. Olavo Fontoura, 1209 – Santana– Zona Norte – São Paulo


• Ingressos: Para saber o valor dos ingressos, clique AQUI


• E-mail: ouvidoria@spturis.com


• Telefone: (11) 2226-0646

DICAS PARA SÃO PAULO: O que fazer quando.....

Uma pessoa com deficiência física ou mobilidade reduzida tiver dificuldade de ir a cinemas, casas de espetáculos, teatros ou estádios de futebol?

Cinemas, teatros e casas de espetáculos são obrigados a garantir o acesso das pessoas com deficiência física às dependências destinadas ao público, de acordo com a Lei 11.424/93, regulamentada pelo Decreto 45.122/04. É importante salientar que, muitos cinemas, teatros e casas de espetáculo, em atendimento ao disposto nesta lei, criaram condições de acesso e adaptaram sanitários, inclusive com sinalização adequada para atender a essas pessoas. No entanto, deixaram de lado as condições que garantem a elas um local onde possam usufruir de boa visibilidade do espetáculo promovido ou da programação a ser exibida.

Para corrigir isso, a Lei 12.815/99 dá nova redação ao artigo 1º da Lei 11.424/93 dispondo que, além das exigências anteriores, esses estabelecimentos estão obrigados a garantir assentos e locais reservados, devidamente identificados, para fácil e boa visualização do espetáculo pelas pessoas com deficiência.

Portanto, a Lei 12.815/99, de forma cabal, dá amparo jurídico para que esse público tenha assegurado, além do direito de adentrar nesses locais, o direito a um bom local para assistir a um espetáculo, sem desconforto.

Os estádios de futebol e ginásios esportivos localizados em nossa cidade ficam obrigados, de acordo com a Lei Municipal 12.561/98, a criar e manter locais reservados, exclusivamente, para acomodação de pessoas com deficiência física que, necessariamente, façam uso de cadeiras de rodas para sua locomoção. Tais espaços deverão ter boas condições de visibilidade e facilidade de acesso, bem como permitir a permanência de acompanhante.


Telefones úteis:



Prefeitura da Cidade de São Paulo............... 11 3113-8000


Secretaria da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida


Secretário Marcos Belizário


Gabinete do Secretário... ................................ 11 3113-8805


Chefia de Gabinete.......................................... 11 3113-8799


Assessoria de Comunicação e Imprensa ...........11 3113-8794


Comissão Permanente de Acessibilidade


CPA............................................................ ....11 3113-8780


Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência 11 3113-9672


Hospital do Servidor Público Municipal............ 11 3208-2211


Ouvidoria Geral do Município........................... 11 3334-7100


Ministério Público Estadual.................................11 3119-9053/9054




Secretaria Especial da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida - SEPED


Viaduto do Chá, 15 - 10º andar • 01002-020


Assessoria de Comunicação e Imprensa


Tel: 3113-8793 / 8794 • Fax: 3113-8523



Braille nos cardápios de motéis

Braille nos cardápios de motéis


 
Autor admin em 6 de julho de 2010 às 20:40 em Jurídico






O que diz a legislação brasileira sobre como disponibilizar informação para os deficientes visuais

Quando se fala em acessibilidade, logo pensamos em adaptações estruturais para atender às necessidades de portadores de deficiências físicas. Cabe lembrar que, além dessas adequações, obrigatórias por lei, também existem outras como o direito à informação por parte dos deficientes visuais.

Atualmente, diversas leis tratam sobre o tema. E os proprietários e gerentes de motéis devem ficar atentos. É preciso adequar e deixar os estabelecimentos de acordo com o que determinam as normas vigentes. Uma delas é a obrigatoriedade de utilização de cardápios impressos em Braille em locais como bares, restaurantes, lanchonetes, hotéis, motéis e similares. Estas leis foram aprovadas em diversos locais do País. É o caso, por exemplo, da cidade de São Paulo (Lei nº 12.363 de 13 de Junho de 1997), do Estado do Paraná (Lei nº 15.432 de 10 de Janeiro de 2007), do Estado do Rio de Janeiro (Lei nº 3.879 de 25 de Junho de 2002) e do Estado de Mato Grosso (Lei nº 7.594 de 20 de dezembro de 2001).

O objetivo da legislação é facilitar a consulta de pessoas portadoras de deficiência visual aos produtos servidos pelos estabelecimentos e às suas respectivas composições. O cardápio em Braille deve trazer o nome do prato, todos os ingredientes utilizados no seu preparo e o preço, bem como a relação de bebidas servidas e os seus respectivos valores. A mesma orientação também cabe aos serviços e demais produtos disponibilizados ou comercializados pelos motéis.

Os estabelecimentos podem procurar os sindicatos aos quais são filiados e consultar se na localização do motel existe a obrigatoriedade da utilização de cardápios impressos em Braille. Caso positivo, é possível solicitar também uma relação de empresas que prestam esse tipo de serviço (confecção dos cardápios).

Compreende-se também que não é necessária a presença de uma unidade em cada quarto, mas a disponibilização de algumas para atender prontamente caso seja solicitado pelo cliente e, até mesmo, para uma possível fiscalização.

O controle do cumprimento da lei é feito pelo órgão responsável de cada região, cabendo em algumas localidades a aplicação de multa pelo seu descumprimento.

Garantir o direito à acessibilidade e o direito à informação é o dever de todos os cidadãos e, principalmente, responsabilidade de todos aqueles que tratam com o público.

Tatiana Andréia Siaudzionis Bianchi é advogada, pós-graduada em Direito Privado.
Tel. (11) 7740-3957.


sábado, 8 de janeiro de 2011

Campanha CONADE

".. O Mundo onde vivemos pode ser diferente. Torná-lo ACESSÍVEL é um compromisso de todos!" Campanha CONADE - Acessibilidade


segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

COMO TORNAR AS EDIFICAÇÕES ACESSÍVEIS?



O planejamento das edificações deve objetivar que a casa seja segura e acessível em todas as etapas da nossa vida. Veja algumas medidas  que possibilitam a acessibilidade em edificações públicas:
Pisos: devem ter superfície regular, firme, estável, antiderrapante, livre de barreiras ou obstáculos e inclinação transversal de até 2%. Recomenda-se a utilização de faixas de piso com textura e cores diferenciadas para facilitar a identificação do percurso pelas pessoas com deficiência visual. Quanto aos desníveis, o máximo permitido é de 1,5 cm de altura, e quando superior, necessita vir acompanhado de rampa.  A largura máxima admitida para juntas de dilatação e grelhas (canaletas de drenagem) é de 1,5 cm;

Escadas e degraus: devem obedecer às seguintes recomendações: 
  • nas áreas de circulação do fluxo principal não devem ser usados degraus e escadas fixas com espelhos vazados ou com piso saliente em relação ao espelho (bocel);
  • apresentar espelho de 0,15 m a 0,18 m e piso entre 0,28m a 0,32 m. A largura mínima admissível para escadas é de 1,2 0m;
  • o primeiro e último degraus de um lance de escada devem distar de, pelo menos, 0,30 m da área de circulação;
  •  a cada 3,20 m e quando houver mudança de direção, as escadas fixas devem ter, no mínimo, um patamar;
  •  uso de faixa com textura diferenciada de, no mínimo 0,28m, ocupando toda a largura dos degraus. 
Corrimãos: a instalação de corrimãos e guarda-corpos contínuos, nos dois lados das rampas e escadas é obrigatória e deve obedecer às seguintes exigências:
  • apresentar secção circular entre 3,5 cm e 4,5 cm de diâmetro, com espaço livre de 4 cm, no mínimo, entre a parede e o corrimão;
  •  apresentar prolongamento, pelo menos, 0,30 m antes do início e após o término da rampa ou escada, sem interferir nas áreas de circulação e ter as extremidades com acabamento recurvado;
  •  ter altura recomendada, para escada, de 0,92 m do piso. Para rampas e, opcionalmente para escadas, devem ser instalados em duas alturas, a 0,70 m e 0,92 m do piso. 
Portas: devem atender às seguintes exigências:
  • ter um vão livre de, no mínimo 0,80 m, inclusive aquelas com mais de uma folha;
  • ter revestimento resistente a impactos provocados por bengalas, muletas e cadeiras de rodas, na sua parte inferior até uma altura mínima de 0,40 m do piso;
  •  ter dispositivos para abrir e fechar com um único movimento, do tipo alavanca;
  •  ter barra horizontal para facilitar o fechamento, nas portas de sanitários;
  • em portas de correr, os trilhos ou guias inferiores não devem se projetar acima da superfície do piso. 
Sanitários: devem ser localizados em lugares acessíveis, próximos à circulação principal e devidamente sinalizados com o Símbolo Internacional de Acesso. Nos sanitários e vestiários de uso público, no mínimo 5% do total de cada peça deve ser adequado ao uso de pessoa com deficiência, adaptando-se no mínimo uma peça de cada (para efeito de cálculo, sempre que houver divisões por sexo, os sanitários e vestiários masculinos e femininos devem ser considerados separadamente). O piso deve ser antiderrapante e sensorial. O vaso sanitário deve ter altura compatível com a cadeira de rodas. Devem ter barras de apoio e espaço previsto para a transposição da pessoa da cadeira de rodas para a peça sanitária. A área de transferência deverá ter dimensões de 1,10 m X 0,80 m e poderá ser frontal ou lateral.  Os lavatórios devem ser suspensos, sem colunas ou gabinetes, fixados a uma altura de 0,80 m do piso e respeitando uma altura livre de 0,70 m.     O sifão e a tubulação devem estar situados a 0,25 m da face externa frontal com dispositivo de proteção.  As torneiras devem ser do tipo alavanca.   Os mictórios devem ser instalados à altura de 0,46 m do piso e ser providos de barras de apoio fixadas na vertical, com afastamento de 0,80 m, altura de 0,70 m do piso e comprimento de 0,80 m.   Não devem ser utilizadas portas vai e vem.  Os banheiros adaptados também devem conter o Símbolo Internacional de Acesso. Os boxes com chuveiros devem ser providos de bancos com profundidade mínima de 0,45 m, instalados a uma altura de 0,46 m do piso e com comprimento mínimo igual a 0,70m.


Deficiência é a relação entre as limitações do indivíduo e as barreiras impostas a ele pelo meio ambiente” Cláudia Werneck

Desenho Universal

São pressupostos do conceito de desenho universal: 

1- Equiparação nas possibilidades de uso 

O design é útil e comercializável às pessoas com habilidades diferenciadas. 

2- Flexibilidade no uso 

O design atende a uma ampla gama de indivíduos, preferências e habilidades. 

3- Uso Simples e intuitivo 

O uso do design é de fácil compreensão, independentemente de experiência, nível de formação, conhecimento do idioma ou da capacidade de concentração do usuário. 

4- Captação da informação 

O design comunica eficazmente ao usuário as informações necessárias, independentemente de sua capacidade sensorial ou de condições ambientais. 

5- Tolerância ao erro 

O design minimiza o risco e as conseqüências adversas de ações involuntárias ou imprevistas. 

6- Mínimo esforço físico 

O design pode ser utilizado com um mínimo de esforço, de forma eficiente e confortável. 

7- Dimensão e espaço para uso e interação 
O design oferece espaços e dimensões apropriados para interação, alcance, manipulação e uso, independentemente de tamanho, postura ou mobilidade do usuário. 



Fonte: http://www.acessobrasil.org.br/index.php?itemid=42

Feliz 2011!!!

Algo me diz que esse ano será um ano muito produtivo nos setor da acessibilidade.
Infelizmente temos que aproveitar alguns eventos e pegar carona neles para chegarmos a algum lugar.
Temos uma olipíadas, uma pára-olimpíadas e uma copa do mundo.
Para recebermos todos precisaremos nos adequar. Essa é a hora. Esse é o momentos de conquistarmos algumas metas voltadas a acessibilidade.
Gostaria de salientar que não sou portadora de necessidades especiais e isso me motiva ainda mais a lutar por essa causa.
Muita gente só busca soluções quando precisa delas. E busco soluções pelo bem estar de todos.
A recompensa? Se eu conseguir melhorar a vida de uma pessoa, já me sinto feliz.
Precisamos deixar de culpar o governo por tudo. Temos a nossa parte. Façamos primeiro a nossa para depois cobrarmos a do próximo.
Espero no final desse ano que acaba de iniciar, poder dizer: eu fiz a diferença. Eu consegui!

Feliz 2011!!!

Que seja um ano onde o respeito, a solidariedade, a paz e o amor predominem.

Saúde a todos!!!

Deficiente física volta a andar com ajuda de 'armadura'

http://fantastico.globo.com/Jornalismo/FANT/0,,MUL1639049-15605,00.html

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Acessível: uma casa para todas as pessoas


Um apartamento no Campo Belo, em São Paulo, tem chamado a atenção da mídia nos últimos dias. Com 174 m², ele oferece alarmes de emergências, sensores de luz, de inundação e diversas facilidades para qualquer tipo de pessoa que tenha alguma limitação. O projeto da arquiteta Sandra Perito, mostra que é possível construir uma moradia que traga segurança e confoto tanto para crianças como para cadeirantes e idosos

sábado, 27 de novembro de 2010

Superação

“Superação é poder fazer acontecer com as ferramentas que temos em mãos. Superação é trabalhar da melhor forma possível, independente do que pensem ou falem. Superação é irmos além do que os outros acham que somos capazes. Superação é saltar tão alto que ultrapasse a barreira da estima machucada, da confiança perdida, do relacionamento quebrado… Se supere… SEMPRE. Aposte em você mesmo e você fará o dia de hoje muito melhor do que o de ontem.

Só depende de você!!! SUPERE-SE!”

Pensamentos

Um ato de bondade, mesmo que seja pequeno, nunca é em vão...

Confie...

As coisas acontecem na hora certa.
Exatamente quando devem acontecer!
Momentos felizes, louve a Deus.
Momentos difíceis, busque a Deus.
Momentos silenciosos, adore a Deus.
Momentos dolorosos, confie em Deus.
Cada momento, agradeça a Deus.



Agradeço a Ele sempre!!!!!

Pensamentos...

Hoje vi essa frase no perfil de uma amiga no facebook:

As pessoas precisam entender que as crianças com necessidades especiais não estão doentes. Elas não procuram uma cura, apenas aceitação.

Concordo plenamente!!!